Automação de Operações e Entrega Contínua – Como minha empresa conseguiu economizar mais de 20 horas de trabalho por mês.

Sharing is caring!

No último ano uma palavrinha se fez muito presente na minha vida, a “automação“, e eu gostaria de contar um pouco sobre como essa palavra fez tanta diferença na minha carreira como desenvolvedor.

Então, tá pronto?

Durante nosso processo de aprendizagem em qualquer área de desenvolvimento, chega um ponto onde percebemos a diferença entre dizer que “está pronto porque roda no meu computador” e “está pronto e rodando em produção“, geralmente percebemos essa diferença de forma brusca quando deixamos a faculdade e ingressamos no mercado de trabalho, para um cliente ou um empregador, “pronto” significa que a aplicação resolve os problemas dele, entrega valor, está operante e ele pode usa-la a qualquer momento. Ter um sistema que não pode ser usado ou que está inacessível é a mesma coisa de não ter nada.

Um paralelo engraçado que pode ser feito com essa história é a clássica rixa existente entre brasileiros e americanos quanto ao verdadeiro inventor do avião. Não vou entrar em detalhes sobre o assunto, mas enquanto os irmãos Wright diziam ter um modelo funcional de avião e não o mostravam, não divulgavam fotos e não permitiam que ninguém acompanhasse os experimentos, Santos Dumont, alguns anos depois, apresentou para o Aeroclube Francês o 14Bis.

O que interessa são os resultados.

De nada adianta ter uma solução se ela não está entregando valor a alguém de alguma forma. Por diversas vezes eu vi pessoas pouco experientes tecnicamente criarem soluções porcas e mal feitas, mas que fizeram mais diferença e renderam mais dinheiro que várias outras soluções magnificamente bem implementadas, mas que não atendiam as verdadeiras necessidades dos usuários.

E para que alcançamos este estágio, nós passamos por diversas etapas de desenvolvimento até chegarmos no momento da entrega ou implantação.

Cá entre nós, da mesma forma que criticamos quando as pessoas confundem programadores com técnicos de informática, nós também sabemos que mesmo dentro do desenvolvimento, um programador não sabe necessariamente tudo sobre infraestrutura e servidores de produção, em muitas empresas essas tarefas são divididas e deixadas a cargo de um profissional de operações, que segue scripts para deixar uma nova versão do sistema pronta para ser usada.

Acontece que também existem empresas onde a equipe de desenvolvimento é pequena e sobra pra algum desenvolvedor desempenhar também este papel. Isso também é muito comum em Start-ups, onde os mesmo problemas são presentes.

Mão na massa!

E é aqui onde chegamos ao climax deste post. Na última empresa onde trabalhei o meu setor era composto de uma equipe pequena e essas tarefas de operações eram realizadas pelos próprios desenvolvedores, e devido a diversas dificuldades, gastávamos muito tempo com tarefas de operações. Foi neste momento que eu decidi que as coisas não podiam continuar assim, eu já havia trabalhado com integração contínua antes e já conhecia diversas metodologias que se propõem a resolver estes problemas. Então, aproveitando meu último semestre de graduação onde eu precisava apresentar um trabalho de conclusão de curso, e graças ao incrível apoio do meu time, eu comecei a trabalhar em um projeto de automação de operações e entrega contínua nessa empresa, com objetivo de economizar tempo e esforço nessas tarefas de operação para que o time pudesse se focar cada vez mais no que é realmente importante, a geração de valor.

Com o estudo de diversas ferramentas e metodologias, em menos de um mês nós conseguimos transformar as tarefas de operações que antes eram sofridas e minuciosas em atividades absurdamente triviais.

O resultado deste projeto é um relatório técnico apresentado como  meu trabalho de conclusão que gostaria de compartilhar com vocês hoje.

Nestas 45 páginas vocês irão encontrar conceitos, comparativos de ferramentas e o processo pelo qual passamos para conseguir entregar novas versões de software (entregar de verdade) em 0,4% do tempo que era necessário antes, uma economia de mais de 20 horas por mês que antes eram gastas com atividades manuais que foram totalmente automatizadas.

Espero que isso possa ajudar a diversas pessoas que, assim como eu, gostam de se aperfeiçoar cada vez mais para trabalhar de forma mais eficiente, com melhor qualidade e menor desperdício.

Façam bom proveito 🙂

 

Sharing is caring!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *